Home do site » MÚSICAS » CDS » O BAR ME CHAMA




rotulo rotulo

* clique na imagem para ampliar.
O BAR ME CHAMA
ref: 49

“O BAR ME CHAMA”

            O novo disco das Velhas Virgens (19º da carreira) será lançado em meio às muitas mudanças e dificuldades que todos estamos vivendo em 2020. A pandemia impediu que déssemos continuidade à turnê que começou no final de 2019, com o lançamento dos primeiros singles que anteciparam o disco completo. Tivemos que nos adaptar e na indefinição que nos cerca, optamos por realizar o lançamento on line, mesmo sem definições e prazos para uma possível volta à normalidade. O rock não pode parar. E nem a maior banda independente do Brasil.    

            Com apenas 10 músicas. O disco nasceu para ser um EP e foi sendo aumentado e construído durante a pré-produção, antes mesmo dos ensaios com a banda. A ideia era fazer uma homenagem ao rock’n’roll dos anos 70, sem sair do estilo simples que cultivamos. Nem todas as músicas acabaram caminhando para isso, mas, no geral, conseguimos um clima orgânico nas gravações e arranjos que nos remete ao rock setentista.

            Algumas mudanças aconteceram.

            A primeira foi na escolha do produtor que recaiu em Gabriel Fernandes, que teve sua escola no rock, mas se destacou gravando pop, sertanejo e outras loucuras eletrônicas. Como ele queria voltar a gravar rock e nós queríamos dar uma cara diferente para esse disco foi juntar o útil ao agradável.

            As artes do disco também mudaram, ao invés de trabalharmos uma ilustração, resolvemos usar um desenho estilizado de um copo americano (que pasmem, foi inventado no Brasil), um símbolo forte que para nós representa “o Bar”. As cores saem de uma gaita e entram no copo, significando a alegria de se encontrar com os amigos para comemorações.

Outra mudança se deu no repertório:

            Abrimos o CD com “Mazzaroppi Blues” (Paulão de Carvalho), a primeira vez que gravamos uma música instrumental, com “riff” e melodia composta para gaita, um arranjo entre a surf music misturada ao rock’a’billy com pegada bem dançante.

            Em seguida vem “O Bar Me Chama” (Paulão de Carvalho), que dá nome ao disco, um típico blues das Velhas Virgens, bem-humorado, chamando todos para a festa, com refrão grudento, “riff” de gaita e um arranjo mais elaborado com metais e coro lembrando os momentos mais pop de BB King.

            “Leprechaun” (Paulão de Carvalho) aparece duas vezes, na primeira versão mais rock e na segunda, com a participação especial da banda paranaense “Terra Celta”, mais divertida com seus instrumentos diferentes e um tratamento “celta”, estabelecendo uma ligação sonora entre a festa de St. Patrick e o folclore brasileiro.

            A stoniana “Brechó Cintilante” (Paulão de Carvalho) dá o clima rock’n’roll bem ao estilo dos anos 70 que tentamos colocar no disco inteiro com uma gravação bastante orgânica. Conta a história de um bar lisérgico que aparece e desaparece no meio da serra da Cantareira onde pessoas de todas as épocas vão para dançar, curtir a música, boa comida e bebida. Até Raulzito dá as caras por lá.

            “Não É Não” (Alexandre Cavalo Dias) é a música controversa feita sob medida para nossa vocalista, Juliana Kosso. Buscamos seu arranjo em uma mistura de bandas dos anos 70 de diferentes vertentes como “Cream” e “Lynyrd Skynyrd”, a diferença vai para a temática feminista que dá voz ativa e protagonismo para a garota da banda.

            O Rock mais pesado do disco fica por conta de “Carregue Sua Cruz Com Classe” (Paulão de Carvalho) com “riff” de guitarra simples e pesado, numa levada que evoca o pré-punk setentista, com  letra que fala de alcoolismo e de não colocar em risco determinadas coisas importantes da vida, encarando as agruras do dia a dia (como ter que ficar um tempo longe da birita e do bar) com algum bom humor.

            “Vícios e Pecados” (Alexandre Cavalo Dias) fala de dor e separação que ficou ainda mais angustiante nessa interpretação e diante do cenário pandêmico que nos cerca. Com arranjo simples, refrão que cresce com a música, é uma balada que as Velhas costumam gravar em todos seus discos.

            Outra novidade é a versão de Lousiana, um sucesso obscuro dos anos 70 na voz de Mike Kennedy e composta por Percy Mayfield, aqui em versão de Paulão de Carvalho aludindo a um casal de moças: Thelma & Louise? Não. Luisa e Ana.  A canção recebeu um tratamento sonoro mais pesado e direto com teclados do nosso produtor, Gabriel Fernandes, guiando os arranjos.

            Para fechar o disco os dois presentes para nosso público. A versão de “Leprechaun” com o “Terra Celta” e uma versão de “O Bar Me Chama” com direito a um divertido “coro de zumbis” finalizando o CD.

 

Ficha técnica:

Produção Musical, Mixagem e Masterização de Gabriel Fernandes.

Design e Concepção Visual de Ju Vechi.

Produção executiva de “74 Entretenimento”, (by Júlio Quattrucci e Carol Pozzani) e Alexandre Cavalo Dias.

Fotos e Vídeos de Sol Santos, Rafa Rezende e Vini Burghetti

 

Velhas Virgens:

Alexandre Cavalo Dias – guitarra

Filipe Cirilo – guitarra e violão

Juliana Kosso – voz

Paulão de Carvalho – voz e gaita

Simon Brow – bateria

Tuca Paiva – baixo

Especificações do Produto
Inéditas
10 músicas
Lançamento 2020
O BAR ME CHAMA
Selecione o modelo:
Selecione o Tamanho:
por: R$25,00